19.12.08

O que me serve!

Conheço um homem que me entrega extremos conhecimentos. Um adepto da verdade extrema, inchado de orgulho e ganância seletivos. Sua sede de ser maior e melhor é de" invejar". Mas sempre noto com o passar da conversa de que ele é composto por letras, muito apenas de sabedoria escrita.
Pouca luz, pouco silêncio, pouca beleza. Sempre a espreita de um novo conhecimento para jogar sob ouvidos alheios.
Não me faz feliz ter comigo apenas esse conhecimento que me chega muitas vezes de maneira grosseira e invasora. Não que nunca me sirvam - agradeço tudo que absorvo -, mas pouco me cabe desse supérfluo e insensível mundo. Meu mundo tem como prioridade outra lição.

Quando ele puder baixar os faróis e sair do escuro de seu cárcare, notará que sua própria luz é divina, mesmo ocilando entre os dias.
Meu prazer vem da emoção, do sentido, apesar de muito racional, me importo com o que planto no meu peito para deixar transbordar por entre gestos e palavras ao mundo o que tenho comigo. Eu sou responsável por procurar do lado de fora o que quero pra mim do lado de dentro, assim, elevando o que me importa, o espírito.
Dentro de mim tenho um mar que não acaba no horizonte que vejo. Uma profundidade que esconde mistérios que aos poucos me surpreendem. Não sou tão má quanto minha mente permitiriam, nem tão boa quanto sinto que necessito. E é a partir desses conhecimentos que me vigio.
O meu gosto vem por aquele que sai da sombra, que muitas fecha os livros e abre o coração. Vem daquele que vive e que encontra não só a beleza do mundo, mas a sua própria beleza.
Aquele que se torna vencedor em sua própria história.

5 comentários:

Daniel Murillo disse...

parabéns, muito bom o seu texto...
de verdade...

Marcus Batalha disse...

Gostei do seu texto.
Meio fatalista (o que particularmente eu adoro).
Parabéns!

Nayara Carpalhoso disse...

Ameeeei!!!
Parabéns

Jaquielio disse...

Vc escreve muito bem.Gostei do texto.Parabéns .

moralina disse...

conhecimento sem sentimento, não rola!!! é pura lógica...

vlw.