17.4.09

Beber você!

Me sinto frágil em teus braços,
como uma criança que você sabe fazer sorrir.
Você conseguiria ser gentil comigo.
Mesmo com minhas falhas um tanto ofensivas?
Porque quando te faço mal, não é por querer.
As palavras escapam de minha mente
acertando o seu mais intímo seguro.
Extremecendo tudo o que você escolheu para ser você.
E isso não é um direito meu,
é mais uma falha.
Então, não te culpo por ser intolerante.
Mas sei que podemos saber o que nos vale a pena.

Quando te vejo me amando,
me sinto menina...
apaixonada.
Vejo você se importar comigo.
Como eu gosto, e você sabe!

Construimos nosso castelo.
É questão de desejo
não deixar tudo desmoronar.
Porque é tudo que nos mantém juntos.
Vou segurar palavras,
prestarei mais atenção.
Porque preciso beber mais do que você diz.
Além daquilo que você pensa.
Só para te ter ao meu lado.

5 comentários:

Nathália disse...

o amor faz isso com a gente. ora nos sentimos frágeis, ora seguras. e amor é isso mesmo, amar o outro, apesar de suas falhas - ou até mesmo por causa de suas falhas.

lindo poema. beijos!

www.floresnajanela.com

Daniel Silns disse...

Virei fregues, shushsuhu.
Curte muito o poema, muito bom!

Só o amor é o seguimento que apaga as luzez, dos sentimentos tristes e nos ilumina pra ver as belezas da vida. (Bonito né?)

http://estudiosilns.spaces.live.com/

Bjs!

Tiago Castelo disse...

às vezes o amor alheio só fica chato pela tantativa de relatos em poemas.
não me interessou, mas parabéns pelo uso certo da gramática.

:)

Tânia Mara disse...

É verdade!

Hique disse...

Beba, mas também dê o que beber.