29.7.08

Batman - O Cavaleiro das Trevas



Um breve comentário, porque não pode de jeito nenhum passar em branco.

Eu nunca gostei de super-herois, e nem do Batman que se diz (ou diziam) anti-herói. Nunca consegui coloca-lo de verdade nessa linha.
No par-ou-impar perdi, então, assisti Batman Begins na telona. Sai do cinema com uma visão mais otimista, pode ser que só do filme e não do Herói-Batman, mas como muitas críticas já foram feitas, vou falar da atualidade: Batman - Cavaleiro das Trevas, a sequencia, que assisti no último domingo.

Foi bem melhor. Bem melhor. Porque o Batman é coagido, porque ele não é o único inteligente e não é ele quem dita as regras.
Bruce sofre pressão para escolher entre manter o Homem-Morcego como o salvador de Gothan ou ajudar Dent - "seu inimigo amoroso" - a substitui-lo dalí por diante. Dividido, ele ainda precisa combater uma máfia e enfrentar seu principal inimigo, Coringa.
Coringa, com toda a sua sutileza maldosa torna Batman vulnerável, tornando- o talvez mais humano. Agora acredito que ele esteja se encaixando no perfil(meu perfil particular) de anti-herói. Ele se depara com a ponte que separa um super-herói de um justiceiro.
Mas o filme é sem dúvida do Coringa.
Mesmo não tendo regras, ele as dita, fazendo do filme intrigante, intenso. Com toda a sua insanidade também sensata, ele comanda. Com toda a sua natureza para o caos, não vê limites, não vê respeito, não vê amor e chega sempre onde quer. Age sem pudor e domina o Bem e o Mal com o seu Mal.
A atuação de Heath Ledge como Coringa realmente merece a indicação póstuma, porque ele conseguiu causar impacto psicológico. Ele conseguiu apagar o Batman do filme. Porque transmitiu a realidade de uma mente doentia levada a sério. Ele adminstrou sem regras e perfeitamente todos os minutos do filme.

Um comentário:

rmelo disse...

Filmããão, mas nao sei se ganha de homem de ferro!
=|